Grupo Só Risos: A Alegria é Contagiante

PROJETO DE HUMANIZAÇÃO

A política de humanização no Hospital Nossa Sra. Aparecida, dentro de uma perspectiva ética, preocupa-se com a qualidade de vida do ser humano como um todo: funcionários, corpo clínico, pacientes, familiares e comunidade.

Como diz um dito popular, “rir é o melhor remédio”. O nosso alvo é proporcionar diminuição do stress e alargar sorrisos em meio ao sofrimento, que pode se tornar companheiro assíduo dos “frequentadores” de Hospitais. 

A Recreação Terapêutica é uma das formas de recreação que visa colaborar com a recuperação e o resgate do aspecto saudável dos pacientes internados no âmbito hospitalar. 

Sabe-se que o ambiente hospitalar causa muitos desafios que precisarão ser enfrentados por pacientes de diferentes idades durante a internação, diagnóstico e tratamento. A Recreação Terapêutica é uma tentativa de adaptação às mudanças que o paciente enfrenta em uma hospitalização, é um processo terapêutico que visa restaurar não só a saúde, mas o bem estar físico, mental e emocional.

A recreação trabalha com atividades pedagógicas, lúdicas, psicomotoras, recreativas. Este trabalho pode ocorrer, em princípio, na visita aos leitos e setores de funcionários, promovendo sua autoestima, tendo em vista as dificuldades causadas pela internação.

A atitude em usar a recreação como parte do tratamento para a saúde, é resultado de muitas experiências realizadas em países nos quais a Medicina deixou de se preocupar tão somente com os aspectos somáticos do indivíduo, para enfrentá-lo como um todo, com suas carências afetivas, sociais, psicológicas, intelectuais e culturais.




 OBJETIVOS ESPECÍFICOS:

Este trabalho voluntário realizado com os pacientes tem como objetivo:

- Minimizar o sofrimento do paciente infantil ou adulto, tendo como princípio a promoção da saúde; 

- Facilitar seu ajustamento à vida do hospital;

- Tornar o paciente receptivo ao tratamento;

- Melhorar e manter o ânimo do paciente em alto nível;

- Facilitar a rápida reabilitação física, mental e social do paciente, bem como o seu restabelecimento e alta hospitalar;

- Auxiliar a minimizar o risco de reintegração desnecessária;

- Reduzir internações, trabalhando com a prevenção;

- Facilitar a interação família/paciente;

- Compensar as deficiências e limitações promovendo suas potencialidades;

- Encorajar o desejo de remover ou superar as barreiras físicas ou mentais que se interpõem entre o paciente e a vida normal.



 

PÚBLICO ALVO

Pacientes, acompanhantes e funcionários de TODO o complexo hospitalar. Quanto aos pacientes, obviamente participariam da ludicidade aqueles que possuem condições de receber visitas, sendo que tal avaliação deverá ser feita pela Equipe de Enfermagem da Instituição.

Sabendo que alguns pacientes necessitam isolamento ou possuem restrição de visitas, certamente estes não seriam contemplados com a visita do Grupo.




 COMO É REALIZADO?

A utilização de palhaços em hospitais não segue uma regra, um lugar-comum. Alguns falam nela como uma terapia, outros como uma estratégia para determinados objetivos, além do terapêutico. Algumas terminologias são utilizadas, como a do médico-clown ou do clown-terapeuta. Ainda, pode-se falar das pessoas que apenas utilizam a linguagem do palhaço para praticar o voluntariado, sem nenhum conhecimento teórico prévio. 

Através desse projeto, mostramos como o palhaço, desde suas origens e significados, podem estar inseridos dentro de um contexto hospitalar e seus benefícios ao próximo. Com a atual necessidade de “re-humanizar” o ambiente hospitalar, o clown ganhou seu espaço naturalmente por ser uma figura que transmite alegria.  A Recreação Terapêutica é uma tentativa de adaptação às mudanças que o paciente enfrenta em uma hospitalização, é um trabalho voluntário que visa restaurar não só a saúde, mas o bem-estar físico, mental e emocional, juntamente com o paciente, parente e todos os profissionais de saúde.